ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ACAV celebra Dia do Avicultor, comemorado nesta sexta-feira

A cadeia produtiva da avicultura catarinense situa-se entre as mais avançadas do planeta. É sustentável, moderna, mantém milhares de empregos e gera riquezas para as famílias, os municípios, o Estado e o Brasil. Toda essa grande estrutura tem em sua base o avicultor, que segue rígidos protocolos de saúde e segurança e tem papel primordial para o excelente desempenho do segmento. Por isso, nesta sexta-feira (28) – Dia do Avicultor – a homenagem vai para esse profissional.

Foto: José Antonio Ribas, presidente da ACAV

O presidente da Associação Catarinense de Avicultura (ACAV), José Antônio Ribas Jr, ressalta o que o setor representa para o Estado e para o Brasil. “Somos o maior exportador e um dos maiores produtores de frango do mundo. Com um imenso trabalho na área de sanidade e de biosseguridade que é feito nas nossas granjas, conseguimos colocar uma proteína com excepcional qualidade na mesa de todo consumidor brasileiro e de mais de 150 países, com um custo competitivo. Grande parte dessas virtudes está sustentada no avicultor. Os produtores fazem a diferença e fortalecem a nossa avicultura”, parabeniza.

A produção industrial da avicultura, junto com a suinocultura catarinense, possui mais de 60.000 empregados diretos, 480.000 postos de trabalho indiretos, produzindo em torno de 3 milhões de aves e 30 mil suínos por dia, respondendo por 34% do Produto Interno Bruto (PIB) de Santa Catarina. O setor representa praticamente 67% de toda a exportação do Estado e envia seu produto para mais de 190 países. O Brasil atualmente é o 1° produtor e exportador de aves em escala mundial. Santa Catarina ocupa o 2° lugar na produção e exportação de aves.

O desempenho da produção da avicultura brasileira em 2019, de acordo com dados da Embrapa Suínos e Aves, foi de 51.526.181 matrizes de corte alojadas, 13,245 milhões de toneladas produzidas (3º lugar mundial) e 3% de aumento na produção nacional em relação a 2018. Do total da produção, 68% foi para o mercado interno e 32% para exportação. Foram exportadas 4,2 milhões de toneladas (1º lugar mundial), um aumento de 2,75% em relação a 2018. O consumo per capita de carne de frango é de 42,8 kg.

Rígidos protocolos para a segurança dos trabalhadores e dos alimentos produzidos são adotados pelo setor frigorifico. São procedimentos que vão desde o transporte, o acesso aos frigoríficos, vestiários, refeitórios e áreas de descanso, além de diversas medidas adotadas nas linhas de produção. “O setor adotou ações antes mesmo da quarentena no Brasil, intensificando os cuidados que já eram rigorosos. Há grande desinformação circulando neste período de pandemia, o que gera julgamentos injustos contra quem trabalha para o abastecimento e a segurança de quem produz. Foram desenvolvidos outros quatro protocolos, de acordo com os avanços nas informações disponibilizadas pelos órgãos de saúde nacionais e internacionais”, finaliza Ribas.






Fonte: MB Comunicação