ÚLTIMAS NOTÍCIAS

TCE isenta Moisés do reajuste dos procuradores que provocou pedido de impeachment

Tribunal de Contas afirma que Carlos Moisés (PSL) não tem responsabilidade na aprovação da equiparação dos salários.



O Tribunal de Contas do Estado (TCE-SC) emitiu um parecer em que afirma que o governador Carlos Moisés (PSL) não tem responsabilidade na aprovação do reajuste dos procuradores estaduais, que equiparou os salários aos procuradores do Legislativo. O argumento é a base do pedido de impeachment de Moisés e da vice-governadora, Daniela Reinerh, que foi aceito pela Assembleia Legislativa (Alesc).

O documento, emitido pela Diretoria de Atos de Pessoal (DAP), afirma que “não há qualquer deliberação (parcial ou final) que aponte para a existência de nexo de causalidade entre o Governador do Estado e a prática de ato ilegal omissivo ou comissivo, relacionado ao pagamento da verba intitulada verba de equivalência aos Procuradores do Estado de Santa Catarina”.

O TCE informa, ainda, que constam no processo que apura a legalidade do reajuste a ex-procuradora Geral do Estado, Célia Iraci da Cunha, o atual procurador-Geral, Alissom de Bom de Souza, e o secretário de Administração, Jorge Tasca, que também é alvo do pedido de impeachment.

O parecer foi emitido em resposta a um questionamento do advogado Marcos Fey Probst, que representa o governador no processo de impeachment. Ainda sem acesso ao relatório da procuradoria da Alesc, que autorizou o recebimento do processo, a defesa de Moisés tem buscado se cercar de provas de que o governador não teve participação na concessão do reajuste.





Fonte: NSC

Foto: Divulgação, Secom