ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Loira na estrada: nos EUA, brasileira faz sucesso como caminhoneira

Caroline Ortega ganha a vida em uma profissão dominada por homens e compartilha seu dia a dia em uma rede social



A brasileira Carolina Ortega, de 30 anos, tem quase 100 mil seguidores no Instagram e compartilha seu dia a dia em uma profissão dominada por homens: ela vive nos Estados Unidos há mais de dois anos e ganha a vida como caminhoneira – Foto: Reprodução/Instagram




No Youtube, seu canal “Loira na Estrada” tem 300 mil inscritos, no qual publica vídeos sobre destinos e perguntas frequentes sobre caminhões. Tem até um passo a passo para trocar o pneu da carreta – Foto: Instagram





Caroline, que é e Curitiba, Paraná, se define como uma “alma de nômade” e já rodou praticamente todos os estados norte-americanos em sua boleia – Foto: Instagram




De acordo com a loira, seu objetivo é “ajudar todas as pessoas que 
precisam de orientação sobre a indústria” – Foto: Instagram




“Espero continuar fornecendo conteúdo para ajudar outras 
pessoas”, diz Caroline na página em que reúne seus conteúdos – Foto: Instagram




Ela também compartilha detalhes sobre imigração e como tirar uma carteira de caminhão nos EUA – Foto: Instagram





“O primeiro ano com carteira de motorista de caminhão não é fácil para ninguém, com a carteira nova e sem experiência você pode levar um tempo até você conseguir sua primeira oportunidade de trabalho, o importante é ter calma, pesquisar, falar com pessoas, ser honesto e assim irá conseguir a sua primeira oportunidade” – Foto: Instagram





Para além dos conteúdos sobre imigração e caminhões, ela também compartilha dicas de como cuidar dos cabelos e suas playlists favoritas na estrada – Foto: Instagram




Nas trilhas sonoras favoritas de Caroline Ortega, estão músicas de Raul Seixas, Aerosmith e Jimi Hendrix – Foto: Instagram




Com as devidas medidas de segurança, ela segue transportando carregamentos durante a pandemia e chegou a publicar um vídeo intitulado “A mascarada da Florida”, contando como foi trabalhar em Miami – Foto: Instagram





Fonte: ND+