ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Escorpião mais perigoso da América Latina infesta município catarinense

Veneno injetado pelo animal pode ser mortal se a pessoa não for analisada por médicos com urgência após a picada


Há pelo menos quatro tipos de escorpião encontrados em Joinville, mas o escorpião-amarelo é o mais perigoso (Foto: Patrick Rodrigues/ Santa)

O escorpião-amarelo já foi encontrado em 18 bairros de Joinville e estes lugares já podem ser considerados infestados pelo animal. Ele é considerado o mais perigoso da América Latina e pode levar à morte, dependendo da quantidade de veneno injetado e se não houver atendimento médico após a picada.

Os escorpiões desta espécie não são nativos de Santa Catarina, o habitat deles é nas regiões Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste do Brasil, mas começaram a ser encontrados em Joinville em 2013.


“Ele veio através de uma transportadora que estava trazendo morangos em uma câmara fria. Desde então, a Vigilância Ambiental trabalhou para identificar outros locais que possam ter recebido esse tipo de carga. Encontramos uma série de locais, principalmente comerciais, que recebiam produtos de cidades que já estavam infestadas pelo escorpião”, explicou o médico-veterinário da Vigilância Ambiental de Joinville, Jaime de Matos Júnior.

Em cinco anos, as ocorrências aumentaram a ponto de o animal já ter sido encontrado em 18 bairros de Joinville, mas Jaime destacou: “isso não significa que ele está apenas nestes bairros, apenas que ainda não houve notificação em outros lugares”.

Além disso, a Vigilância Ambiental considera que o bairro está infestado ao encontrar apenas um exemplar do escorpião-amarelo, por um motivo bem simples: esta espécie não precisa de um companheiro para reprodução, já que realiza a partenogênese.

“Quase todos os indivíduos são fêmeas e elas já nascem com o óvulo fecundado. Em seis meses o filhote entra em idade reprodutiva e faz, durante o ano, duas gestações. A cada gestação pode nascer de 17 a 21 filhotes”, detalhou Jaime.

A Vigilância Ambiental de Joinville opta por não divulgar quais são os bairros onde já foram reportados casos de escorpião-amarelo. Segundo o veterinário, nos primeiros casos a serem divulgados, era comum as pessoas optarem por deixar a casa e esta perder o valor imobiliário, o que não resolve o problema.

Para Jaime, esta é uma situação que já não será mais erradicada, mas controlada pelos cuidados da população e pelo monitoramento da Secretaria de Saúde.

“O escorpião-amarelo é um dos principais causadores de mortes [entre os animais peçonhentos] no Brasil e essa é a nossa preocupação. Se a gente somar todos os acidentes de animais peçonhentos que não são o escorpião, ainda assim os acidentes com escorpião tem um número maior que todos os outros somados”, avalia ele.






Com informações do A Notícia