ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Anvisa proíbe venda de cervejas produzidas pela Backer


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) interditou na noite desta sexta-feira, dia 17, todas as cervejas produzidas pela Backer com data de validade igual ou posterior a agosto de 2020.

A decisão da Agência veio após nova divulgação de análises feitas pelo Ministério da Agricultura, que comprovou a contaminação pelas substâncias monoetilenoglicol e dietilenoglicol em 21 lotes de oito marcas diferentes da cervejaria.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) já havia interditado a fábrica e determinado que todas as cervejas e chopes da Backer produzidas entre outubro de 2019 e a última segunda-feira, dia 13, fossem recolhidas.

Segundo a rádio CBN, subiu para quatro o número de mortes confirmadas por síndrome nefroneural, provocada por substâncias derivadas do álcool presentes em cervejas produzidas pela Backer. O quarto caso de morte aconteceu na cidade de Pompéu (MG).

A diferença é que a ordem do Mapa não afeta o comércio e a da Anvisa, sim. A partir de agora, nenhuma loja, mercado ou bar pode vender as cervejas da Backer. Além disso, a nova decisão dá suporte legal para as vigilâncias sanitárias de cada município poderem atuar para orientar e fiscalizar a proibição desses produtos.

“Os resultados das análises apontam que a fonte de contaminação nas cervejas da marca pode ser sistêmica e não apenas pontual, ou seja, pode não estar restrita aos lotes específicos que já foram analisados. Por essa razão a Anvisa decidiu pela medida cautelar para os lotes fabricados no mesmo período de tempo daqueles que já tiveram sua contaminação comprovada por laudos”, disse a agência em nota. “A medida é preventiva e vale para todo o Brasil. O objetivo é interromper o risco aos consumidores da marca. A interdição será mantida até que a empresa comprove a ausência de dietilenoglicol e monoetilenoglicol nas suas cervejas.”

A ação da agência, no entanto, não determina o que comerciantes devem fazer com as cervejas interditadas, nem se os produtos devem ser encaminhados de volta à fábrica. A única diretriz é que os itens não sejam vendidos ao público.

A Backer informa que segue colaborando com as autoridades e vai respeitar a determinação da Anvisa.


Fonte: O Globo

Nenhum comentário