segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

Presidente do BB pede restabelecimento da confiança nas instituições

O presidente do Banco Brasil (BB), Rubem Novaes, afirmou hoje (7) que as instituições têm a responsabilidade de reverter o quadro que o país viveu nos últimos anos. Na cerimônia em que tomou posse, no Palácio do Planalto, ele disse que os dirigentes das instituições devem restabelecer a confiança da população e de empresários do setor privado para que a economia e a credibilidade no país sejam fortalecidas.


O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil



“O país passou por grandes desgraças: mensalão, petrolão, crise da segurança, recessão terrível. Parecia que o povo brasileiro estava desesperançado. Nossos mais promissores jovens e empresários falavam em deixar o país”, lamentou Novaes, referindo-se a crises ocorreram no país, geradas por denúncias de pagamento de propina a agentes públicos nos últimos anos.

O economista, que estidou na mesma Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, pela qual o ministro da Economia, Paulo Guedes, concluiu seu doutorado, atuou ao longo de todo o período de transição de governo ao lado da equipe econômica de Bolsonaro. No período, Novaes, que foi indicado para o cargo apenas em 22 de novembro, iniciou conversas com integrantes da atual estrutura do BB.

No discurso de posse, Novaes afirmou se disse confiante no apoio à sua gestão. “Uma administração deve ser eficiente, transparente e honrada. Tenho certeza [de] que, com a equipe que estamos montando, esse objetivo será plenamente cumprido”, afirmou.


Novaes foi diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), professor da Fundação Getulio Vargas e presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).


Em Entrevista Presidente do BB nega reduzir crédito ou fechar agências de imediato

O recém-empossado presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, disse hoje (7) que o banco público não tem “nenhuma intenção” de reduzir sua oferta de crédito no mercado e declarou que qualquer eventual fechamento de agências ainda será objeto de estudos.

Novaes deu as declarações após a cerimônia de transmissão de cargo na sede do banco, em Brasília, ao ser questionado sobre uma fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, que disse hoje ser preciso promover uma “desestatização do crédito”.

“Ele [Guedes] não falou do Banco do Brasil, ele falou de uma maneira geral, aumentar a competição. Não tem nenhum recado direto ao Banco do Brasil”, disse Novaes. “Não está em cogitação [reduzir crédito]”.

Sobre reestruturações de pessoal ou um eventual fechamento de agências, Novaes disse que examinará estudos feitos por consultorias a respeito desses assuntos, mas acrescentou que “o banco tem que ter cuidado quando fala em fechar agências”, devido ao papel que desempenha na interiorização de serviços bancários.

“Enxugamento de despesa é objetivo de qualquer gestor, mas desde que isso não prejudique o funcionamento do banco. Reduzir despesa por reduzir despesa é um mau princípio”, disse.

Em relação a uma eventual redução dos juros no Brasil, Novaes disse se tratar de uma questão macroeconômica, e que “o Banco do Brasil não vai resolver essa questão do juro”.

Desinvestimentos

Na entrevista, Novaes detalhou um pouco sobre desinvestimentos a serem promovidos pelo banco, que antes foram mencionados em seu discurso na cerimônia de transmissão de cargo.

O presidente do banco disse que o BB não perderá controle sobre suas “joias”, que não serão alvo de desinvestimento, sendo somente passíveis de abertura de capital ou de captação de parceiros.


“A parte de administração de fundos, a parte de meios de pagamento, a parte de seguridade, crédito para pessoa física e pequenas e médias empresas”, respondeu ao ser indagado sobre quais seriam tais joias.

Presidente do BB confirma venda de ativos; “concorrência que se cuide"

O novo presidente do Banco do Brasil, Rubens Novaes, confirmou hoje (7) que pretende vender parte dos ativos da instituição e afirmou estar livre do drama que antes contrapunha o interesse dos acionistas minoritários e do governo. “A concorrência que se cuide”, afirmou.

“Entendemos que alguns ativos do banco não guardam sinergia com suas atividades principais e, nestes casos, realmente consideraremos os desinvestimentos”, disse Novaes durante a cerimônia de transmissão do cargo, na sede do banco, em Brasília. Ele não detalhou quais ativos seriam diluídos.

Novaes destacou a necessidade de a participação em determinadas atividades desempenhadas pelo banco ser diluída. “O ministro [da Economia] Paulo Guedes tem falado comigo sobre esse tema” afirmou.

“O que se pretende para algumas atividades lucrativas, que se valem da força do banco para prosperar, é a abertura para o mercado de capitais e a busca de parceiros complementares, sempre buscando destampar e evidenciar valores antes despercebidos ou desconsiderados nos registros contábeis”, disse ele.

Em uma cerimônia que contou com a presença do vice-presidente Hamilton Mourão e do ministro Paulo Guedes, a quem chamou de amigo de longa data, o novo presidente do BB destacou que assume o cargo livre de interferências indevidas do mundo político. Rubem Novaes substitui no cargo a Marcelo Labuto.

“Sendo empresa de capital aberto, mas com o controle da União, nem sempre foi harmoniosa a relação dos acionistas privados com o controlador [governo]”, disse Novaes. “Estou livre deste drama, pois o mandato que recebo eh plenamente compatível com o interesse os minoritários”, afirmou.

Sintonia

Em seguida, o ministro Paulo Guedes repetiu pontos que já havia levantado na cerimônia da posse de Novaes, mais cedo no Palácio do Planalto, afirmando que o governo deve, sim, promover distribuição de renda e programas sociais, mas sem comprometer a rentabilidade dos bancos públicos.

Guedes também condenou o aparelhamento de instituições públicas por interesses particulares que teria ocorrido no passado. “O aparelho de estado brasileiro foi ocupado, e cada um foi lá, cada grupo de interesse, cada grupo corporativo foi lá e pegou um pedaço, pegou uma teta. Sempre perguntando: ‘ que eu posso tirar do Brasil?’ Nosso grupo tem a mentalidade que é o contrário: o que nós podemos dar ao país?”, disse Guedes.


O ministro aproveitou a ocasião para negar ruídos entre os membros do governo. “Todo mundo acha que há discussão entre nós, uma briga. Somos uma equipe muito sintonizada”, afirmou.


Fonte: Agência Brasil (EBC)
Mais Notícias

Previsão do tempo para a região Sul do Brasil