sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Homem segura menino de 6 anos para filho bater.

14/12/2018 - Os pais de uma criança de seis anos estão sendo investigados pela Polícia Civil de Brasília depois que outra criança baiana, da mesma idade, foi agredida dentro da quadra de esportes de um condomínio fechado na Octagonal. Segundo o Correio Braziliense, o menino baiano foi imobilizado pelo pai da outra criança, para que ela iniciasse a agressão.

Veja o vídeo no final da matéria

A atitude teria sido tomada depois que o menino braziliense apareceu no apartamento dos avós, onde estava passando o final de semana, com sangramento na região da boca. Ainda de acordo com a publicação, o casal pensou que a criança tivesse batido no filho deles, quando na verdade ele tropeçou na bola e caiu de cara no chão.

Tudo que aconteceu na quadra, inclusive a agressão, foi registrado por câmeras do condomínio e e já estão com a Delegacia de Proteção da Criança e do Adolescente (DPCA).

Agressão

No vídeo é possível ver o homem segurando os braços do menino para trás para que o filho machucado dê um soco no rosto do colega com quem estava brincando. Em seguida, o pai tira o filho do local, mas a mãe dele entra na quadra e empurra o garoto baiano no chão.

A criança baiana foi para Brasília de férias e hospedado na casa de uma tia, onde acontecerá a festa de aniversário de um primo, de 9 anos. "Estavam todos juntos na quadra, brincando com a bola do meu filho, quando a outra criança tropeçou sozinha na própria bola, caiu e bateu a boca no chão. Algumas adolescentes que estavam lá e o ajudaram e o levaram para os pais. O menino tropeçou sozinho. Mesmo assim, as imagens mostram que o pai desce transtornado, vem puxando o filho pelos braços, entra na quadra de esportes e parte para cima do meu sobrinho", lamentou Jucinea das Mercês Nascimento, 43 anos, tia do menino agredido, em entrevista ao jornal de Brasília.

Tudo aconteceu na frente das outras crianças e adolescentes que estavam na quarda. "Pelas imagens, a criança inclusive reluta em bater no meu sobrinho, porque, no fundo, sabia que ele não tinha feito nada. As adolescentes que estavam na quadra contaram que a mãe dele gritava muito. Existe até uma suspeita de que bateram com a cabeça do meu sobrinho no chão, quando ele já estava caído”, diz Jucinea, que registrou ocorrência na DPCA após ter acesso ao circuito interno de vídeo.

"Só tive coragem para contar à minha irmã tudo que aconteceu na segunda-feira. Agora sou eu chorando de cá e ela, de lá. Os meninos não descem mais sozinhos para brincar e, nos momentos em que estão juntos, os escutamos conversando sobre o que poderiam ter feito para salvar o priminho da agressão", conta a tia da criança ao Correio Braziliense.

Uma reunião de condomínio será realizada na próxima sexta-feira (14). Os moradores solicitaram que os pais da criança, que não moram no prédio, sejam impedidos de acessar a área até que a situação seja resolvida.

Fonte: Rádio Tropical FM 
Mais Notícias