terça-feira, 30 de agosto de 2016

Pinheiro Preto: Laboratório de Bebidas do SENAI recebe credenciamento e apoia exportações

O Laboratório da Tecnologia de Bebidas (Lateb) do SENAI/SC, entidade da FIESC, obteve credenciamento no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) que o habilita a realizar os ensaios necessários para exportação e importação dos produtos. Com a portaria, publicada no dia 25 de agosto, o Lateb se constitui na única estrutura do gênero no Sul do Brasil em condições de efetuar as análises oficiais e requeridas pelos organismos de controle no comércio internacional de vinhos, cervejas, sucos e destilados, entre os quais a cachaça.

Localizado em Pinheiro Preto, no Meio Oeste catarinense, o Lateb foi inaugurado há dois anos, já preparado para buscar os credenciamentos oficiais. O primeiro passo foi a acreditação pela Coordenação Geral de Acreditação (Cgcre) do Inmetro, conquistada no início de 2016 e que abriu caminho para o credenciamento do Mapa. "Trabalhamos para esta conquista antes mesmo do Laboratório fisicamente existir", afirma a coordenadora do Lateb, Deise Ferreira de Souza. "Tudo foi feito com a perspectiva do credenciamento - infraestrutura, sistema de gestão da qualidade, capacitação do pessoal, controles internos de qualidade, rastreabilidade, metodologias oficiais", destaca. Deise lembra que a acreditação e o credenciamento exigem contínuas auditorias de manutenção, o que exige permanente atenção à qualidade dos serviços.

Para o diretor do SENAI no Centro Norte do Estado, Rogério Oliveira de Mattos, os principais beneficiados por esta conquista são as indústrias de bebidas - notadamente de vinhos, cervejas, sucos, destilados, como a cachaça - que agora possuem em Santa Catarina um laboratório credenciado para realização de ensaios necessários para o controle de qualidade e para a exportação. Para Mattos, "as indústrias exportadoras tinham dificuldades na logística para encaminhamento das amostras e no prazo de retorno dos relatórios de ensaio para as exportações, que, em alguns casos, demoravam até cinco meses". Com 150 estabelecimentos, a indústria catarinense de bebidas gera 3,6 mil empregos diretos.

Fonte: Assessoria de Imprensa 

Nenhum comentário:

Postar um comentário