terça-feira, 26 de julho de 2016

Possível caso de microcefalia na região de Joaçaba está sendo investigado

A Gerência Regional de Saúde em Joaçaba está realizando as investigações num recém nascido que pode ter o quadro diagnosticado de microcefalia. A mãe do bebê pode ter adquirido a doença antes de vir para Joaçaba, pois a sua origem é do Rio de Janeiro onde o número de casos é expressivo.

A microcefalia é uma doença em que a cabeça e o cérebro das crianças são menores que o normal para a sua idade, o que prejudica o seu desenvolvimento mental, porque os ossos da cabeça, que ao nascimento estão separados, se unem muito cedo, impedindo que o cérebro cresça e desenvolva suas capacidades normalmente.

A criança com microcefalia, pode precisar de cuidados por toda a vida, mas isso é normalmente confirmado depois do primeiro ano de vida e irá depender muito do quanto o cérebro conseguiu se desenvolver e que partes do cérebro estão mais comprometidas.

Segundo a enfermeira da Gerência Regional de Saúde em Joaçaba, Cleci Lucini, a mãe veio do Rio de Janeiro para a região no seu último trimestre de gravidez. “Ela foi identificado no mês passado como uma possível microcefalia. Ainda não se tinha um protocolo. Ela foi encaminhada para referência, mas como ela estava tendo crises hipertensivas, ela acabou tendo este bebê antes da data agendada para fazer a avaliação desta microcefalia”, explicou a enfermeira.

Cleci confirmou que todos os enfermeiros de hospitais e das Estratégias de Saúde da Família (ESFs) serão capacitados para, juntamente com os médicos, poderem acompanhar as gestantes no pré-natal. Ela salientou que especificamente neste caso, a mãe irá acompanhar o recém-nascido no agendamento marcado para o município de Concórdia, sendo que posteriormente ele será encaminhado à Chapecó.

Segundo o último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, o número de casos confirmados de microcefalia no Brasil chegou a 1.638. Ao todo, foram 8.165 notificações desde o início das investigações, em 22 de outubro de 2015, até 25 de junho deste ano, com 87 mortes.

Segundo o Ministério, 3.466 casos foram descartados e outros 3.061 casos ainda estão em investigação. Dos casos confirmados de microcefalia, 270 tiveram teste positivo para o vírus da zika. Em uma semana, foram 116 novas notificações de microcefalia, 22 casos confirmados e 50 casos descartados.

Desde outubro, houve 328 notificações de mortes por microcefalia ou outras alterações no sistema nervoso central durante a gestação ou após o parto. Deste total, 87 óbitos foram confirmados para microcefalia e alterações do sistema nervoso central, 57 foram descartados e 184 continuam sob investigação.

O estado com maior número de casos confirmados ainda é Pernambuco, com 366 casos, seguido da Bahia, com 263, e da Paraíba, com 147. Em Santa Catarina são 2 casos em investigação e 3 descartados, segundo o último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde.

Por Julnei Bruno

Fonte: Rádio Catarinense 

Nenhum comentário:

Postar um comentário